Notícias

EXPANSÃO DO SISTEMA REGIONAL DO CARVOEIRO

Logo vouga

O Conselho de Administração da Aquapor vem comunicar que a Associação de Municípios do Carvoeiro – Vouga (AMC-V) e a Águas do Vouga, assinaram no dia 20 de Junho de 2012, um Aditamento ao Contrato de Concessão, no sentido de servir todo o município de Águeda e os municípios de Oliveira do Bairro e Vagos, contemplando, igualmente, o reforço do abastecimento de água para os restantes municípios.

Esta ampliação, denominada “Expansão do Sistema Regional do Carvoeiro”, ou abreviadamente SRC II, traduzir-se-á nas seguintes intervenções a realizar no Sistema:

 

Obras a realizar (2012-2014):

  • Execução de uma captação de água superficial de reforço às actuais captações do sub-leito do rio Vouga;
  • Execução de uma ETA para 290 l/s para tratamento de água captada superficialmente e adaptação da actual ETA quer no processo de remineralização actual, quer da eliminação das cianobactérias. A capacidade global de tratamento é de 635 l/s;
  • Execução de todo o sistema adutor em alta e dos reservatórios necessários para os novos municípios (Águeda, Oliveira do Bairro e Vagos), e inserção no sistema de telegestão e telecontrolo centralizado actual;
  • Reforço dos actuais reservatórios cujo volume actual é insuficiente, e reforço e renovação de algumas estações elevatórias;
  • Reforço das adutoras Sector Norte, nos troços que urge aumentar a capacidade de transporte;
  • Abastecimento a um novo ponto de entrega em Ílhavo;
  • Redundância da adutora do Baixo Vouga, por forma a dar maior fiabilidade ao sistema, evitando a sua inacessibilidade quando ocorrem inundações do Rio Vouga.

 

O investimento total de 30.4 milhões euros, foi candidatado ao QREN – POVT e teve decisão favorável de comparticipação em 17.4 milhões de euros.
O financiamento complementar ao POVT será garantido pela Concessionária, Águas do Vouga, via renda à Concedente no valor de 13 milhões de euros.
Por forma a permitir que a Concessionária amortize e remunere o capital que irá investir na expansão e modernização do atual Sistema por via do pagamento de uma renda, o prazo de concessão foi alargado em dez anos.

O Aditamento prevê ainda uma revisão da tarifa dado que a expansão do Sistema implica uma ampliação dos Serviços a prestar por parte de Concessionária.
Saliente-se que este projeto foi aprovado, para além da AMC-V, da Aquapor e da Águas do Vouga, pelas Câmaras e Assembleias Municipais dos Municípios de Aveiro, Águeda, Albergaria-a-Velha, Estarreja, ílhavo, Murtosa, Oliveira do Bairro e Vagos. Foi também aprovado pela ERSAR e pelo QREN-POVT e foi visto pelo Tribunal de Contas.
Na realidade, o SRC II revela-se vencedor e irreprovável para todas as partes envolvidas.

De facto, ganham em primeiro lugar, os cerca de 335.000 habitantes que terão garantias de um serviço exemplar e uma água de excelente qualidade até ao ano 2026 e, convém sublinhar, a água será fornecida ao preço mais baixo de todos os sistemas similares do País.

Ganha a AMCV porque com estes dois novos contratos (POVT e Concessionária) garante e estabiliza as tarifas em alta até ao ano 2026.
Ganha o ambiente e a bacia hidrográfica do Vouga, dado que o projeto se integra numa estratégia regional, ampla e racional, complementando o projeto da barragem de Ribeiradio, a montante, e da AdRA e da SIMRIA a jusante.

Ganha a economia da Região: a realização do investimento de 30,4 milhões de euros, nesta fase de estagnação económica nacional, irá dinamizar a região, permitindo-lhe ultrapassar estes anos de crise com menores dificuldades económicas e sociais.

Ganham os atuais 6 Municípios utilizadores e os futuros dois municípios abrangidos pela expansão do Sistema Regional do Carvoeiro, porque o património é e será sempre dos municípios.
Além disso, o investimento de 30,4 milhões de euros não requer qualquer esforço financeiro dos municípios: O investimento é integralmente assegurado pelo QREN (POVT), em 17,4 milhões de euros, e pela Concessionária Águas do Vouga, em 13 milhões de euros.

A própria Águas do Vouga ganha pela sua acrescida consistência e robustez técnica e económica.
E por conseguinte, a ampliação do sistema surge de forma natural, mas também necessária. É que o atual Sistema Regional do Carvoeiro está a atingir o seu limite de capacidade e já enfrenta dificuldades de abastecimento de água nos meses de Verão.